Aumenta número de focos do Aedes Aegypti nos primeiros meses de 2019

Quem pensou que São Pedro do Sul estava livre do Aedes Aegypti, está enganado. O mosquito segue na cidade sendo encontrado em vários locais. Se em todo o ano de 2018 foram detectados 78 focos na cidade, só nos primeiros meses de 2019 o número já ultrapassou, somando 81 focos comprovados do mosquito, sendo que em 99% dos casos em residências.

A cidade já é considerada infestada, segundo a 4ª Coordenadoria Regional de Saúde (4ª CRS), o Levantamento de Índice Rápido para o Aedes Aegypti (LIRA) determina um percentual de 5,8% de infestação. Vale ressaltar que acima de 4% já é considerado alto o risco para uma epidemia de doenças causadas pelo mosquito.

Os agentes de endemias que fazem o serviço de vistoria nas residências e pontos estratégicos da cidade contam que 10 bairros da cidade (Centro, Canto Verde, Riveira, Maturino Belo, Oliveira, Santo Antônio, Progresso, Santa Luzia, Trevo, Schmidt e Nova Alemanha) apresentam focos comprovados do mosquito.

Os agentes alertam que a população deve colaborar, mantendo seus pátios limpos e revistando diariamente vasos e flor ou possíveis locais que podem ser criadouros do mosquito.

Além das residências, os agentes têm pontos estratégicos em borracharias, cemitérios, oficinas e sucatas, que são revisados semanalmente.

As doenças causadas pelo mosquito do Aedes Aegypti são graves e podem até matar. A população deve estar consciente disso e manter seus pátios e residências limpos.